Workshop em Luanda sobre partilha de dados sobre biodiversidade discute participação de Angola no GBIF

Trinta pessoas de museus, universidades e e organismos ligadas ao ambiente, agricultura e pescas participaram em Luanda no Workshop sobre a Partilha de Dados Científicos sore Biodiversidade. O evento foi organizado pelo Ministério de Ciência e Tecnologia de Angola com a colaboração do Nó Português do GBIF e decorreu no Centro de Convenções do Talatona, no dia 10 de Setembro, como um evento paralelo da 4ª Conferência Nacional sobre Ciência e Tecnologia.

Nas suas palavras de boas vindas, o Director Nacional para a Investigação Científica, Domingos Neto, mencionou os objectivos do workshop, incluindo como estes se enquadram no Sistema Nacional de Ciência e Tecnologia, e sobre a necessidade de desenvolvimento de uma política de dados em Angola. Tim Hirsch, do Secretariado do GBIF, fez uma apresentação geral sobre a organização, sobre as formas de participação e benefícios para os países participantes e para as suas comunidades.

O Director Nacional para a Biodiversidade, Joaquim Manuel, representando o Ministério do Ambiente, apresentou as actividades do Ministério, incluindo o Programa Biológico Nacional, que pretende produzir, nos próximos 50 anos, um retrato oficial da fauna e flora de Angola.

O estado da arte das colecções de história natural e investigação sobre biodiversidade foi apresentado por representantes de museus, universidades e institutos de investigação. Estes institutos detêm mais de 100 mil espécimes em colecções biológicas, cuja informação pode potencialmente ser moilizada em programas de digitalização.

Rui Figueira, do GBIF Portugal, resumiu numa apresentação a informação sobre biodiversidade de Angola disponível através do Portal GBIF, e apresentou as orientações para a criação de um nó nacional, baseadas no documento Estabelecer um Nó de Participante do GBIF Eficaz, publicado recentemente em versão portuguesa pelo GBIF.

O workshop proporcionou a primeira oportunidade para a comunidade angolana de investigadores discutir sobre os benefícios da particição de Angola no GBIF, e sobre os próximos passos para a sua participação nesta rede.

 

A participação do Nó Português enquadrou-se no projeto  GBIF CESP 2015 GBIF_PALOP.

 

Apresentações:

A criação de um Nó Nacional GBIF e cooperação nacional e internacional

Partilha de informações sobre Biodiversidade em Angola: contributo do GBIF como plataforma Global

Article Type: 
section_art1: 
section_art2: 

Créditos de imagens. Excepto quando declarado, os conteúdos deste sítio são licenciados através de Creative Commons Attribution CC BY Licence .
A utilização de conteúdos GBIF está sujeito ao Acordo de Utilização de Dados GBIF, e à Política de Privacidade.
O Nó Português do GBIF é acolhido pelo Instituto Superior de Agronomia (ISA),
com o apoio da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT).