Big data para a biodiversidade: GBIF.org ultrapassa 1 bilião de registos de ocorrência de espécies

Frilled anemone (Metridium dianthus). Photo by B. Guichard, Agence Française pour la Biodiversité, licensed under CC BY-NC-SA 4.0

 

O GBIF.org alcançou 1 bilião de registos de ocorrências de espécies no dia 4 de julho de 2018, graças à entrada de conjuntos de dados do Inventário Nacional do Património Natural da França (l'Inventaire National du Patrimoine Naturel), que incluiu a observação de uma anémona (Metridium dianthus) de Saint-Pierre e Miquelon, um arquipélago francês no noroeste do Atlântico. O registo para este invertebrado marinho é um dos 150.097 recolhidos através do BioObs (Base pour l’Inventaire des Observations Subaquatiques), uma ferramenta de ciência cidadã que permite aos mergulhadores aprender sobre o ambiente marinho, enquanto contribui para um inventário nacional de espécies subaquáticas.

O marco simboliza uma grande conquista colectiva, tornada possível através do trabalho da rede GBIF, uma parceria diversificada de mais de 1.200 organizações públicas e privadas de 123 países. O índice global do GBIF e a infraestrutura de pesquisa fornecem a qualquer pessoa, em qualquer lugar, acesso instantâneo a dados gratuitos e abertos sobre onde e quando as formas de vida ocorrem na Terra.

Nos últimos anos, as contribuições de longo prazo de biólogos e pesquisadores de campo, profissionais de TI, curadores de coleções, pessoas da área de informática aplicada à biodiversidade e cientistas de dados, receberam um impulso através da participação de mais de 1 milhão de indivíduos cujas observações são partilhadas pelo GBIF.org., pela sociedade e por projectos de ciência cidadã dos quais participam.

O crescimento contínuo no número de registos de ocorrência também mostra um aumento constante na cobertura e diversidade de espécies representadas no GBIF.org - uma tendência que reflete a crescente ênfase da rede no preenchimento de lacunas taxonómicas, geográficas e temporais conhecidas. Em abril de 2018, GBIF.org tinha pelo menos um registo para 1.049.839 espécies, representando 62% das espécies revisadas no checklist mais recente Catalogue of Life.

O índice de ocorrências globais do GBIF fornece uma base de evidências inigualável para informar pesquisa e políticas científicas por meio do suporte de análises de “big data”. Em média, quase dois trabalhos de pesquisa revisados por pares aparecem todos os dias com base em dados acedidos através do GBIF.org, por exemplo, para iluminar a história evolutiva do nosso planeta ou para gerar modelos que buscam perceber o impacto das rápidas mudanças nas condições de vida na Terra. No entanto, os resultados não limitam-se a tópicos de pesquisa e gestão relacionados à conservação de espécies e áreas protegidas ou riscos de espécies invasoras - eles exploram como podemos melhorar a segurança alimentar por meio da conservação de plantas silvestres relacionadas a culturas importantes, onde direcionar a monitorização de doenças humanas, dadas as mudanças na distribuição dos animais que as dispersam e por que os benefícios e serviços que a natureza proporciona às nossas comunidades dependem da biodiversidade.

“Os investimentos feitos por governos nacionais nos últimos 15 anos permitiram que a rede GBIF produzisse uma plataforma de alto desempenho para partilhar dados sobre biodiversidade de forma livre, pública e aberta”, disse Tanya Abrahamse, fundadora e CEO do SANBI, o Instituto Nacional de Biodiversidade da África do Sul, e atual presidente do Conselho de Administração do GBIF. “Mas, igualmente importante, a infraestrutura conta com uma comunidade de prática altamente eficaz e internacional. Os indivíduos que participam das colaborações intercontinentais do GBIF, generosamente transferem suas habilidades e conhecimentos para permitir acesso cada vez mais amplo aos dados relacionados à vida na Terra.”

Melhorias recentes e contínuas nas plataformas tecnológicas subjacentes da rede produziram uma infraestrutura de alto volume quase em tempo real, preparada para aproveitar o rápido crescimento recente do GBIF.org para fornecer quantidades ainda maiores e mais ricas de informações sobre a biodiversidade nos próximos anos. Esses aprimoramentos mostraram-se oportunos, já que os usuários do GBIF.org descarregaram mais de 845 bilhões de registros em 2017 - um aumento de 200% nos dados do ano anterior. O GBIF espera que este total ultrapasse a marca de 1 trilião em 2018, outro símbolo do avanço da infraestrutura.

A infraestrutura global do GBIF proporciona aos pesquisadores economia e eficiência, ao permitir que eles pesquisem informações de centenas de coleções e de bancos de dados mundiais. A própria comunidade também fornece serviços cada vez mais importantes, ao investir mão-de-obra em ferramentas de código aberto para partilha e acesso aos dados, como a Plataforma Living Atlas, programa “open source” originalmente desenvolvida para o governo australiano pelo  Atlas of Living Australia e agora utilizado ou em desenvolvimento em dezenas de países do mundo.

“Se quisermos endereçar os grandes desafios que enfrentamos em relação ao futuro do uso da terra, conservação, alterações climáticas, segurança alimentar e saúde, precisamos de maneiras eficientes de reunir todos os dados capazes de nos ajudar a entender a mudança do mundo e o papel essencial que a biodiversidade desempenha em todas as escalas ”, disse Donald Hobern, Secretário Executivo do GBIF. “Este marco mostra que o GBIF de hoje está preparado para um crescimento contínuo e que está pronto para lidar com o crescente volume de dados que esperamos ver de outras novas tecnologias e fontes, incluindo o sequenciamento ambiental e sensoriamento remoto”.

Embora alcançar um bilião de registos seja um marco significativo, ainda há muito trabalho a se fazer, como a expansão das parcerias necessárias para vincular as fontes de dados sobre biodiversidade ainda não conectadas pela rede do GBIF. Para esse fim, o GBIF.org fornece uma estrutura pronta para ajudar países e organizações a preencher lacunas, tendências na cobertura geográfica, temporal e taxonómica, das informações sobre biodiversidade.

Naturalistas, exploradores e cientistas documentaram a vida em todo o mundo durante séculos. Dados de biodiversidade abertos servidos por meio da rede do GBIF repatriam evidências sobre espécies colectadas em expedições e mantidas em colecções de história natural em todo o mundo, partilhando-as por meio de acesso digital para uso de pesquisadores e cidadãos em todo o mundo, incluindo os países de origem.

O uso de formatos de dados padronizados e licenças no GBIF.org eliminam suposições e incertezas sobre os termos de partilha e uso de dados abertos sobre biodiversidade. O índice global também incorpora um sistema avançado de vinculação de dados, propriamente citados na pesquisa (exemplo), aos conjuntos de dados que o suportam (exemplo), assegurando assim que as instituições que partilham dados (exemplo) recebam crédito por suas acções. O GBIF também continua a apoiar e defender data papers como uma ferramenta para garantir que os pesquisadores obtenham crédito acadêmico por seu trabalho de colectar, curar e partilhar dados interoperáveis e reutilizáveis.

Descrição e fonte da foto: Frilled anemone (Metridium dianthus). Photo by B. Guichard, Agence Française pour la Biodiversité, licensed under CC BY-NC-SA 4.0

 

Article Type: 

Créditos de imagens. Excepto quando declarado, os conteúdos deste sítio são licenciados através de Creative Commons Attribution CC BY Licence .
A utilização de conteúdos GBIF está sujeito ao Acordo de Utilização de Dados GBIF, e à Política de Privacidade.
O Nó Português do GBIF é acolhido pelo Instituto Superior de Agronomia (ISA),
com o apoio da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT).