Vencedor do prémio GBIF Young Researchers Award deste ano pretende ajudar a prever o surgimento de novos conjuntos de parasitas-hospedeiros com potenciais riscos à saúde pública

Angel Luis Robles Fernández, a Master's student in physics at Universidad Veracruzana, is a winner of one of GBIF's two 2020 Young Researchers Awards. Photo courtesy of Mr Robles Fernández.

Angel Luis Robles Fernández, é  estudante de mestrado em física pela Universidad Veracruzana (Xalapa, México), e foi nomeado um dos dois vencedores do 2020 Young Researchers Awards do GBIF.

Um júri de especialistas premiou Robles por sua aplicação inovadora de dados de ocorrência de espécies, que poderá ajudar a prever o surgimento de novos conjuntos de parasitas-hospedeiros com potenciais riscos à saúde pública de comunidades humanas.

Os investigadores geralmente sofrem com a falta de conhecimento ampliado sobre as interações existentes entre as espécies hospedeiras e seus patógenos, o que limita a capacidade de prever novos pares que podem colocar em risco vidas humanas ou meios de subsistência. Com base em pesquisas recentes que demonstram a importância da filogenia (ou parentesco evolutivo) na contabilização da variação no número de parasitas que as espécies hospedeiras acomodam, Robles construirá um banco de dados combinando informações geográficas, filogenéticas e ambientais para pares de espécies em quatro associações de parasitas-hospedeiros bem conhecidas:

Aves (Aves) e Plasmodium (malária aviária)

Aves e vírus do Nilo Ocidental

Mamíferos (Mammalia) e Flavivírus (Flaviviridae), particularmente o vírus da dengue

Morcegos (Chiroptera) e coronavírus (Coronaviridae)

A combinação de informações geográficas provenientes do GBIF, de dados filogenéticos do vertlife e de dados ambientais do WorldClim fornece uma grande miríade de dados para explorar os padrões de interação entre milhares de pares de espécies de hospedeiros e patógenos. Robles espera que as análises geradas pela utilização de um conjunto de ferramentas estatísticas, de aprendizado de máquina e de inteligência artificial possam quantificar a probabilidade de patógenos e de novos hospedeiros, e fornecer cenários geograficamente explícitos de suscetibilidade do hospedeiro.

“Como físico, meu interesse nesta área está em produzir modelos teóricos que expliquem as distribuições estatísticas das incidências entre hospedeiros e patógenos”, disse Robles. "Além de fornecer outro exemplo da aplicação bem-sucedida de métodos da física para o estudo de sistemas ecológicos, meu estudo poderia fornecer hipóteses para futuras pesquisas teóricas e de campo ou até mesmo ajudar a informar a tomada de decisão em campos científicos e políticos relevantes, como a gestão de espécies invasoras e da saúde pública."

Robles é o quinto mexicano a ganhar o prémio, após Juan Manuel Escamilla Mólgora (2016), Emma Gomez-Ruiz (2013), César Antonio Ríos-Muñoz (2011) e Andrés Lira-Noriega (2010). Ele também é o terceiro aluno a vencer em uma universidade mexicana, precedido por Gonzalo Enrique Pinilla Buitrago (2015) e Ríos-Muñoz.

Robles divide o prémio com Vaughn Shirey, um candidato a PhD dos Estados Unidos. A dupla receberá € 5.000 cada e reconhecimento na próxima reunião do Secretariado do GBIF.

Leia a notícia completa aqui

Sobre o Prémio

Desde o seu início em 2010, o prémio anual GBIF Young Researchers Award tem procurado promover e encorajar a inovação em pesquisas relacionadas à biodiversidade usando dados partilhados por meio da rede GBIF.