Equipa internacional liderada por Ian Ondo vence o 2020 GBIF Ebbe Nielsen Challenge com o ShinyBIOMOD

Ian Ondo of Royal Botanic Gardens, Kew, led the team developing ShinyBIOMOD, the winning entry in the 2020 Ebbe Nielsen Challenge. Photo courtesy of Ian Ondo.

Uma equipa internacional liderada por Ian Ondo, investigador assistente no Royal Botanic Gardens (Kew), ganhou o primeiro prémio no 2020 GBIF Ebbe Nielsen Challenge. O ShinyBIOMOD, é uma interface de código aberto amigável que estende as funcionalidades do biomod2, uma plataforma de modelação de conjuntos de espécies bem estabelecida.Ondo desenvolveu o ShinyBIOMOD junto a Alexandre Antonelli, Samuel Pironon, Wilfried Thuiller e Maya Gueguen.

Este kit de ferramentas em R visa ajudar os utilizadores de todos os níveis de experiência a construir modelos de distribuição de espécies (SDMs) e modelos de nicho ecológico (ENMs), fornecendo-lhes opções passo a passo para explorar, selecionar e visualizar dados adicionais ao longo do processo de modelação.

SDMs e EDMs são ferramentas que permitem aos biogeógrafos e biólogos conservacionistas predizer a distribuição potencial das espécies no espaço e no tempo. Embora tenham tornado-se essenciais para a investigação, tanto para compreender os impulsionadores por trás das alterações nos padrões espaciais quanto para detetar variações nas áreas de distribuição das espécies, especialmente no contexto das alterações ambientais globais, desenvolver tais modelos é um processo complexo.

Os vencedores do segundo lugar vêm do Jardim Botânico de Meise, na Bélgica. Com sua entrada para Linking nomenclature to type specimens, Maarten Trekels torna automático o processo de reunir os materiais essenciais necessários para as revisões taxonómicas botânicas. Seu colega, Quentin Groom, preparou o InteractIAS, que combina e visualiza interações de espécies e dados de ocorrência para apoiar avaliações de risco de especialistas nacionais em espécies invasoras.

Um conjunto de três inscrições individuais - duas delas vencedoras anteriores - garantiu as colocações finais no Ebbe Nielsen Challenge deste ano:

  • Navegador de código de barras de DNA do co-vencedor de 2018, Rod Page, da Universidade de Glasgow, que adiciona investigação de sequenciação e informações filogenéticas e enriquece a exibição de informações para a quantidade crescente de registos de ocorrência provenientes de DNA, disponíveis através do GBIF.
  • Voyager, um kit de ferramentas desenvolvido por Ivvet Abdullah-Modinou, da British Science Association e Ben Scott, do Museu de História Natural de Londres. Esta ferramenta ajusta dados de ocorrência a viagens náuticas históricas e apóia inferências que podem corrigir, melhorar ou mesmo adicionar registos de espécimes marinhos associados.
  • Mass Georeferencing Tool, uma ferramenta de código aberto criada por Luis J. Villanueva, da Smithsonian Institution (que partilhou o segundo prêmio em 2018) que separa a georreferenciação da seleção de localidade e a trata como um serviço com o objetivo de reduzir erros e impulsionar o trabalho, para atender as demandas contínuas de digitalização de uma coleção que cresce em milhares de novos registos todos os meses.

Como a vencedora do primeiro lugar deste ano, a equipa ShinyBIOMOD receberá € 15.000 de um prémio total de € 34.000. As duas entradas do segundo prêmio receberão cada um € 5.000, enquanto os vencedores do terceiro prémio receberão cada um € 3.000.

Leia a notícia completa aqui.