Estudante Português André Vicente Liz ganha Prémio Investigadores Graduados GBIF 2023

 

André Vicente Liz, doutorando no Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos (CIBIO-InBIO) da Universidade do Porto, foi nomeado como um dos dois vencedores do Prémio GBIF para Pesquisadores de Pós-Graduação de 2023.

Um júri especializado selecionou André Liz, que foi nomeado pela delegação de Portugal do GBIF, reconhecendo a sua análise integrada dos padrões de distribuição genética e espacial de 107 espécies de vertebrados que habitam o Deserto do Sahara-Sahel.

A diversidade intraespecífica (ISD) reflete a variação genética contida numa espécie individual. Embora historicamente desvalorizada, a ISD apareceu na agenda do Quadro Global de Biodiversidade Kunming-Montreal. A sua importância como medida da biodiversidade pode igualar-se à da variação entre espécies, especialmente tendo em conta a sua condição como variável-chave na resiliência das espécies às alterações climáticas.

Os vertebrados terrestres, nos quais o estudo de Liz se concentra, viveram e evoluíram através dos muitos ciclos húmidos e secos do Sahara-Sahel ao longo dos últimos dez milhões de anos, acumulando níveis notáveis de ISD. A vasta região e paisagem relativamente inacessível tem impedido a compreensão mais profunda da estrutura e dos mecanismos subjacentes a esta diversidade.

A pesquisa de André Liz tira partido de mais de 21 000 observações obtidas através do GBIF, utilizando-as tanto para ajudar a inferir a distribuição de 325 linhagens genéticas confirmadas como para modelar as distribuições actuais e históricas das espécies. Combinados no âmbito de um quadro comum, pela primeira vez, a par de cenários hidrológicos, climáticos e vegetação passados. este estudo integrado procura identificar e corroborar pontos de acesso à DSI e determinar os seus principais impulsionadores.

"Ao integrar essas abordagens, a metodologia permite-nos avaliar o impacto das flutuações húmidas e secas na geração e estruturação da diversidade genética entre os biomas sarauí-Sahel, disse André Liz.

"Se conseguirmos entender as relações entre a DSI e variabilidade climática anterior, temos melhores hipóteses de adaptar os planos de conservação para identificar e proteger eficazmente a biodiversidade única do deserto contra ameaças relacionadas com as alterações climáticas."

"O André é um pesquisador determinado, disciplinado e engenhoso, cuja pesquisa relaciona a biogeografia com a conservação, filogeografia, mudanças climáticas e computação de big data", disse Silvia Carvalho, pesquisadora do CIBIO.

"O prémio é um reconhecimento bem merecido do seu magnífico trabalho e excelente potencial como pesquisador que não tem medo de enfrentar novos desafios."

O trabalho de André foi magnífico, tanto como pesquisador quanto colaborador, desde que participou do nosso programa de doutoramento em biodiversidade, genética e evolução, disse José Carlos Brito, pesquisador do CIBIO-InBIO e orientador da tese do Liz.

"Tendo já publicado três artigos em jornais de alto impacto, espero plenamente que os seus dois artigos principais de doutoramento, com as suas metodologias state-of-the-art baseadas em dados, alcançarão um nível semelhante."

André Liz é o primeiro aluno nomeado por Portugal a ganhar o prémio desde Raquel Gaião Silva, premiada em 2018. A pesquisa dos seus estudos de doutoramento foi desenvolvida principalmente no CIBIO-InBIO e no Leibniz Institute for the Analysis of Biodiversity Change (LIB Museum Koenig Bonn), com períodos adicionais no Centre d'Écologie Fonctionnelle et Evolutive de Montpellier (CEFE-CNRS) e no King's College London. André Liz tem sido suportado por uma bolsa de doutoramento da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT). Enquanto completa a escrita de sua tese, ele tem trabalhado como um técnico de pesquisa na Associação BIOPOLIS.

André Liz compartilha o prémio 2023 com Dorothy Akoth da Makarere University no Uganda, em que ambos os vencedores são galardoados com um prémio de 5 000€.

 

Sobre o Prémio

Desde o seu início em 2010, a Prémio Investigadores Graduados GBIF (anteriormente Prémio Jovens Investigadores) tem promovido e encorajado a inovação em pesquisa relacionada à biodiversidade utilizando dados compartilhados através da rede GBIF.

 

Sobre o CIBIO-InBIO

O Centro de Investigação de Biodiversidade e Recursos Genéticos é uma unidade de investigação reconhecida internacionalmente em ciências biológicas, com sede na Universidade do Porto e outros três centros portugueses.

O Centro de Investigação realiza investigação fundamental e aplicada sobre os três principais componentes da biodiversidade: genes, espécies e ecossistemas, e fomenta um ambiente de investigação internacional e multicultural, acolhendo investigadores de mais de 17 países, organizados em 34 grupos de investigação.
Saiba mais.

 

Sobre a Associação BIOPOLIS

A CIBIO-InBIO é gerida pela Associação BIOPOLIS, uma instituição privada sem fins lucrativos centrada na biologia ambiental, na pesquisa dos ecossistemas e na biodiversidade agrícola.

A associação recebe apoio financeiro através do European Union’s Horizon 2020 Research and Innovation Programme.
Saiba mais.

 

Sobre o projeto BIOPOLIS Teaming

O Projeto Biopolis é o projeto Teaming European project #857251 e inclui três parceiros: CIBIO (PT), Porto Business School (PT) e University of Montpellier (FR).

 

Júri do Graduate Researchers Award 2023